Cientistas descobriram que os vacinados com a Pfizer/BioNTech têm anticorpos eficazes não apenas contra SARS-CoV-2 (COVID-19), mas também contra SARS-CoV-1 e outros coronavírus zoonóticos transmitidos aos humanos, comprovando a possibilidade de criar uma vacina única para estas infecções.

Durante o estudo, pesquisadores de Cingapura analisaram os anticorpos que se desenvolveram nos vacinados contra a COVID-19 que tinham se recuperado da síndrome respiratória aguda grave SARS, provocada pelo SARS-CoV-1, em 2003, de acordo com a pesquisa publicada na revista New England Journal of Medicine.

"Exploramos a possibilidade de induzir anticorpos neutralizantes de pan-sarbecovírus que podem bloquear a interação comum do vírus com o receptor ACE2 humano, o que será protetor não apenas contra todas as variantes conhecidas e desconhecidas do SARS-CoV-2, mas também contra os futuros sarbecovírus [coronavírus relacionado à síndrome respiratória aguda grave]", disse o coautor da pesquisa Chee Wah Tan.

Antes da vacinação os recuperados da SARS tinham anticorpos neutralizantes contra o SARS-CoV-1, mas não contra o SARS-CoV-2. Após receberem duas doses de vacinas de mRNA, todos os pacientes mostraram níveis altos de anticorpos neutralizantes contra ambos os coronavírus.

"O que é mais importante, eles são o único grupo com um amplo espectro de anticorpos neutralizantes contra dez sarbecovírus que foram escolhidos para a pesquisa", adicionou outro autor, Wanni Chia.

Os pesquisadores destacam que comprovaram pela primeira vez a atividade neutralizante cruzada de anticorpos contra diferentes coronavírus.

"Nossa pesquisa aponta para uma nova estratégia de desenvolvimento de vacinas da próxima geração, que não só nos ajudarão a controlar a pandemia atual da COVID-19, mas também a impedir ou diminuir o risco de pandemias futuras causadas por vírus semelhantes", disse um cientista participante do estudo, David Lye.

Atualmente os cientistas estão realizando experimentos para desenvolvimento de vacinas de terceira geração contra diferentes coronavírus.