A jornalista Maíra Azevedo, conhecida como "Tia Má", afirmou ter sido vítima de racismo dentro do supermercado G Barbosa, em Vilas do Atlântico, bairro de Lauro de Freitas, município da Região Metropolitana de Salvador.

"É desesperador precisar provar que não vamos roubar, é doloroso ser 'perseguida' dentro de uma loja porque se tem um tipo suspeito. E é preciso que as lojas entendam que a segurança, mesmo que terceirizada, é responsabilidade das redes", escreveu Tia Má em um post nas redes sociais.  O caso aconteceu nesta segunda-feira (21). De acordo com a jornalista, ela foi seguida por um segurança do estabelecimento e denunciou o caso para a gerente, que tentou negar o fato.

"O 'segurança' te segue…e ao falar com a gerente primeiro tenta negar o fato, mas ao perceber que eu não era uma pessoa desinformada a mesma concordou e disse que falaria com o funcionário, mas fiz questão de reafirmar que não é um problema dele e sim da loja, pois se ele está a serviço do mercado é o @gbarbosa_oficial que estava me seguindo e me colocando como suspeita", relatou.

"Fiquei paralisada e ao entrar no carro chorei, só agora consegui escrever, porque dói demais…precisei gritar para o homem parar de me seguir, e ele me seguindo estava me sentindo coagida. Me fortaleci porque estava na companhia de minha tia e depois, mas duas clientes afirmaram que isso (a discriminação) já é uma constante na loja G barbosa de Villas. Que isso deixe de fazer parte do nosso cotidiano", concluiu.

Através de nota, o GBarbosa disse que se solidariza com o sentimento da cliente e apura a situação relatada de forma cuidadosa e criteriosa, pois não compactua com esse tipo de ação ou comportamento que possa ser ou parecer um ato de discriminação e racismo.

A empresa reforçou ainda que preza pelo respeito integral a todas as pessoas que frequentam suas unidades e que tomará as medidas cabíveis após finalizar a apuração do caso.

 

Fonte: Metro1