Home » Clube liderado por Xi Jinping e Putin adiciona aliado para enfrentar os EUA

Clube liderado por Xi Jinping e Putin adiciona aliado para enfrentar os EUA

por karolineporto
clube-liderado-por-xi-jinping-e-putin-adiciona-aliado-para-enfrentar-os-eua

Um clube de países eurasiáticos liderado pela China e pela Rússia para avançar a visão de seus líderes de uma ordem mundial alternativa está prestes a se expandir novamente nesta semana – dessa vez adicionando um aliado russo firme que tem apoiado abertamente a guerra de Moscou na Ucrânia.A esperada admissão de Belarus à Organização de Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês) em sua cúpula anual de líderes em Astana, no Cazaquistão, é mais um empurrão de Pequim e Moscou para transformar o grupo – de um bloco de segurança regional em um contrapeso geopolítico às instituições ocidentais lideradas pelos Estados Unidos e seus aliados.Belarus, que ajudou a Rússia a lançar sua invasão da Ucrânia em 2022, se tornará o mais recente estado autoritário a se juntar ao clube, depois que o Irã se tornou membro pleno no ano passado. O líder chinês Xi Jinping e o presidente russo Vladimir Putin chegaram a Astana para a cúpula que começou nesta quarta-feira (3), o segundo encontro deles este ano. O primeiro-ministro indiano Narendra Modi, líder da maior democracia do mundo, não foi ao evento, apontando para o desconforto de alguns membros sobre a direção que a SCO está tomando.Fundada em 2001 pela China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão para combater o terrorismo e promover a segurança nas fronteiras, a SCO cresceu nos últimos anos de acordo com a ambição compartilhada de Pequim e Moscou de contrariar o que eles veem como a “hegemonia” dos EUA e remodelar o sistema internacional a seu favor.Em 2017, o bloco passou por sua primeira expansão para receber a Índia e o Paquistão. Após a adição de Belarus, contará com 10 membros, representando mais de 40% da população mundial e cerca de um quarto da economia global. A organização também possui dois estados observadores, Afeganistão e Mongólia, e mais de uma dúzia de “parceiros de diálogo” que vão de Mianmar à Turquia e aos estados árabes.A expansão da SCO ocorre após outro bloco liderado pela China e Rússia, o grupo BRICS de grandes economias emergentes, ter mais que dobrado sua adesão e ampliado significativamente seu alcance global no ano passado.Ambições crescentesÀ medida que a SCO cresce em visibilidade internacional e peso econômico, também ampliou suas ambições geopolíticas.A esperada admissão de Belarus, que faz fronteira com a União Europeia, “realmente destaca como a missão da SCO mudou nos últimos anos”, disse Eva Seiwert, especialista em política externa da China no Instituto Mercator de Estudos sobre a China (MERICS) em Berlim.Presidentes de Belarus, Alexander Lukashenko, e da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião em São Petersburgo / 23/07/2023 Sputnik/Alexei Danichev/Kremlin via REUTERS“Diferentemente do Irã, você realmente não obtém muita cooperação econômica ou de segurança com a entrada de Belarus. E é por isso que eu argumento que é mais um movimento geopolítico”.Com a Rússia profundamente envolvida no terceiro ano de sua desgastante guerra contra a Ucrânia, a SCO se tornou uma via diplomática crucial para Putin, além de uma plataforma para mostrar que ele não está isolado internacionalmente.Como as relações da China com os EUA despencaram, Pequim agora está menos preocupada com a SCO sendo rotulada como uma organização anti-Ocidente – uma percepção que só se aprofundou após a admissão do Irã, disse Seiwert.“Eles querem que a SCO seja percebida como um grande bloco que não pode mais ser ignorado”, disse ela. “Com todos esses países se juntando, a China e a Rússia (querem mostrar que) ambos têm muitos apoiadores para suas visões de mundo”.E nessa visão de mundo compartilhada, não há lugar para os EUA na Eurásia. Em uma reunião com seus funcionários sêniores do ministério das Relações Exteriores no mês passado, Putin delineou uma visão futura para “um novo sistema de garantias bilaterais e multilaterais de segurança coletiva na Eurásia”, com a ajuda de organizações existentes como a SCO e um objetivo de longo prazo de “gradualmente eliminar a presença militar de potências externas na região da Eurásia”.“Durante minha recente visita à China, o presidente Xi Jinping e eu discutimos essa questão. Foi observado que a proposta russa não é contraditória, mas sim complementa e alinha-se com os princípios básicos da iniciativa de segurança global da China”, disse Putin, que visitou Pequim em maio.O presidente russo, Vladimir Putin, é recebido pelo presidente chinês, Xi Jinping, durante cerimônia no Fórum do Cinturão e Rota em Pequim, China / 17/10/2023 Sputnik/Sergei Savostyanov/Pool via REUTERSAtritos e desconfortoEssa grande visão de um futuro alternativo será a “mensagem principal” para a China e a Rússia saindo desta cúpula da SCO, disse Bates Gill, pesquisador sênior do National Bureau of Asian Research.Mas a adesão de Belarus também cria grandes pontos de interrogação que pairarão sobre a organização, disse Gill.“Isso cria todos os tipos de problemas e novas questões sobre a reputação, legitimidade e mandato da organização, dada a natureza do regime de Belarus e seu apoio à flagrante violação do direito internacional pela Rússia e invasão da Ucrânia”, disse ele.“Claramente, a SCO pode tolerar regimes autoritários, mas para o mandato da organização, isso diversifica e dilui ainda mais seu foco original, que era na Ásia Central”.A expansão do bloco não ocorreu sem atritos – notavelmente com a admissão dos rivais amargos Índia e Paquistão – enquanto as tensões entre Pequim e Nova Délhi também aumentaram nos últimos anos após confrontos mortais na fronteira disputada do Himalaia.A orientação cada vez mais antiocidental do grupo após a admissão do Irã e agora de Belarus também alimentou desconforto entre membros que desejam manter boas relações com o Ocidente, incluindo os ex-Estados soviéticos na Ásia Central. “Em alguns aspectos, isso coloca os estados da Ásia Central em uma posição muito desconfortável”, disse Gill. “Eles estão buscando o que gostam de chamar de diplomacia multivetorial. Eles não querem se comprometer a lidar apenas com uma grande potência, como a Rússia ou a China”.Gill, que visitou a Ásia Central em abril e maio, disse que havia uma ambivalência nas capitais regionais sobre o futuro da SCO.Modi ausenteA Índia também parecia estar perdendo o interesse. No ano passado, sediou a cúpula virtualmente – um arranjo discreto que permitiu a Modi evitar a ótica de receber Putin e Xi em Nova Délhi enquanto buscava laços mais estreitos com os EUA.Este ano, recém-empossado para seu terceiro mandato consecutivo, o líder indiano está ausente da cúpula em Astana – apesar das reportagens da mídia estatal russa de que ele visitará o Kremlin na próxima semana.“Isso nos diz que ele não vê a SCO como o canal mais eficaz para perseguir os interesses indianos nesta parte do mundo”, disse Gill.Até a China, a principal força por trás da expansão da SCO, está buscando uma maneira mais direta de se engajar com a Ásia Central – sem a participação da Rússia.O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o presidente russo, Vladimir Putin, retratados lado a lado na cúpula virtual da Organização de Cooperação de Xangai em 4 de julho / Reprodução / CNNiNo ano passado, cinco líderes da região tiveram uma recepção luxuosa na cúpula inaugural China-Ásia Central na cidade chinesa de Xi’an, o ponto de partida da antiga rota comercial da Rota da Seda que ligava a China imperial às civilizações ao oeste há mais de um milênio. Em março, um secretariado permanente para o mecanismo China-Ásia Central foi estabelecido na mesma cidade.E enquanto China e Rússia aspiram apresentar a SCO como um contrapeso às instituições lideradas pelos EUA, ela permanece um bloco muito mais fraco e menos coeso em comparação com a Otan, União Europeia ou o Grupo dos Sete.“Dada a expansão da adesão com a Índia, Paquistão, Irã e Belarus, a organização será ainda menos como uma aliança ou grupo comprometido comum, e mais como um tipo de organização de visão estratégica… representativa de uma identidade eurasiática”, disse Gill.Após a cúpula em Astana, a China deve assumir a presidência rotativa da SCO por um ano. Seiwert, a especialista no MERICS, disse que Pequim trabalharia para encontrar mais pontos em comum entre os estados membros.“Para a China, é importante que a SCO não fracasse, que seja percebida como bem-sucedida. Acho que eles também estão cientes de todas as dificuldades que vieram com todas essas diferentes expansões”, disse ela.“Se continuar a se expandir – se Rússia e China continuarem a pressionar para expandir – então acho que sua relevância regional realmente diminuirá”.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original

você pode gostar