Home » Análise: Risco de escalada no conflito Israel-Hezbollah é iminente

Análise: Risco de escalada no conflito Israel-Hezbollah é iminente

por salvadoroliveira
analise:-risco-de-escalada-no-conflito-israel-hezbollah-e-iminente

Israel e grupo islâmico libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã, intensificaram os ataques mútuos após meses de combates de baixa intensidade, o que levou os militares israelenses a alertar nesta semana que estão preparados para lançar um ataque em grande escala na sua fronteira norte.Com ambos os lados trocando tiros durante mais de oito meses, os especialistas dizem que Israel sente que não pode mais ignorar a sua frente norte ou adiar a tomada de medidas ali.Uma guerra total parece ter-se tornado mais provável – mesmo que ambos os lados não desejem a escalada do conflito, acreditam os analistas.Aqui está o que sabemos:Por que Israel e o Hezbollah estão em guerra?O Líbano e Israel estão oficialmente em estado de guerra há décadas. Israel lançou uma invasão devastadora do Líbano em 1982, enviando tanques até a capital, Beirute, depois de ter sido atacado por militantes palestinos no país. O país ocupou então o sul do Líbano durante 22 anos, até ser expulso pelo Hezbollah em 2000. No Líbano, o Hezbollah é oficialmente considerado um grupo de “resistência” encarregado de confrontar Israel, que Beirute classifica como um estado inimigo. Grande parte do mundo ocidental designou o Hezbollah como organização terrorista. Desde então, os dois lados trocaram tiros esporadicamente, mas as tensões aumentaram em 2006, quando Israel entrou em guerra no sul do Líbano, depois de o Hezbollah ter raptado dois soldados israelenses. Mais de 1.000 libaneses foram mortos nesse conflito, a maioria civis, bem como 49 civis israelenses e 121 soldados. Dois anos depois, o Hezbollah devolveu os restos mortais dos soldados raptados em troca da libertação de prisioneiros libaneses e palestinos nas prisões israelenses, bem como dos corpos dos militantes que Israel detinha.As últimas hostilidades entre Israel e o Hezbollah começaram depois que o Hamas liderou um ataque a Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e sequestrando 250, segundo as autoridades israelenses. Isso levou Israel a entrar em guerra com o Hamas em Gaza, o que causou destruição em grande parte do território e matou mais de 36 mil palestinos. O Hezbollah disse que a sua atual rodada de combates com Israel visa apoiar os palestinos em Gaza.A capacidade militar do grupo libanês cresceu desde 2006, quando dependia em grande parte dos imprecisos foguetes Katyusha da era soviética. Hoje, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, diz que o seu grupo possui mais de 100 mil combatentes e reservistas. Acredita-se também que o grupo possua 150 mil foguetes que poderiam sobrecarregar as defesas de Israel se uma guerra total estourar.Por que as tensões estão aumentando agora?O conflito entre Israel e o Hezbollah tem-se intensificado gradualmente desde 8 de outubro, disse Heiko Wimmen, director de projectos para o Iraque, Síria e Líbano no International Crisis Group, um think tank com sede em Bruxelas. É uma “escalada em câmera lenta” que “aumenta lentamente”, disse ele.Mas ambos os lados aproximaram-se da guerra ultimamente, à medida que os confrontos através da fronteira aumentaram em número e escala. “Há claramente uma escalada”, disse Wimmen, particularmente em termos de mortes em cada lado da fronteira e do tipo de armamento que o Hezbollah tem utilizado.Um reservista israelense foi morto em um ataque do Hezbollah a uma vila no norte de Israel na quarta-feira (5), elevando para 19 o número total de soldados mortos do lado israelense.Israel e o Hezbollah também têm atacado muito mais profundamente o território um do outro do que no início da guerra, quando os combates estavam confinados a um raio de cerca de 4 quilômetros da fronteira de ambos os lados.O Hezbollah disparou em regiões de Israel que ficavam a 35 quilômetros da fronteira, enquanto Israel atacou áreas do Líbano a mais de 120 quilômetros ao norte.Os ataques do Líbano esta semana levaram a grandes incêndios que atingiram a região norte de Israel, que Israel atribuiu ao lançamento de foguetes do sul do Líbano, onde o Hezbollah disse ter lançado um “enxame de drones” em instalações militares israelenses.Na quarta-feira (5), o Hezbollah disse que tinha como alvo o sistema de defesa Israelense Iron Dome, na aldeia de Ramot Naftali, no norte, usando um míssil teleguiado. O porta-voz das Forças de Defesa de Israel, tenente-coronel Peter Lerner, disse em um briefing nesta quinta-feira (6): “Não posso confirmar isso neste momento. Não posso confirmar se isso aconteceu”.Amal Saad, professor da Universidade de Cardiff e especialista em Hezbollah, disse que a escalada do grupo “é um marco em relação aos surtos anteriores que ocorreram desde 8 de outubro”.“Esta fase transcende a mera resposta aos ataques israelenses e a restauração da dissuasão; envolve transmitir novas mensagens e estratégias”, escreveu Saad no X.O conflito tornou-se “muito visível” e “difícil de ignorar”, disse Wimmen, do Grupo de Crise Internacional, acrescentando que as autoridades israelenses se sentem compelidas a responder, ou pelo menos passarem a impressão de que deram uma resposta, em meio à pressão da parte de ministros de extrema direita que compõe o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.Há um impulso dentro do governo e do exército israelense para agir no norte, disse Ronni Shaked, pesquisador do Instituto Truman da Universidade Hebraica de Jerusalém, à CNN. “Ninguém pode viver nesta situação.”O que ambos os lados estão dizendo?A retórica tem sido contundente de ambos os lados, mas os especialistas dizem que nenhum deles quer um conflito total.Netanyahu alertou em dezembro que Beirute se transformaria em Gaza se o Hezbollah decidisse iniciar uma guerra total.Mas o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, despejou esta semana água fria sobre a perspectiva de uma guerra mais ampla, dizendo que as FDI não estão interessadas em ampliar a guerra para eliminar o Hezbollah. Os militares dizem “neste momento que não querem… lançar um ataque no norte, lutar e derrotar o Hezbollah, subjugá-lo e criar uma zona de segurança”.Durante a sua visita à cidade de Kiryat Shmona, no norte, perto da fronteira com o Líbano, na quarta-feira (5), Netanyahu disse que Israel estava preparado para “uma ação muito intensa” no norte.“Quem pensa que pode nos prejudicar e que ficaremos de braços cruzados está cometendo um grande erro”, disse o primeiro-ministro. “De uma forma ou de outra, restauraremos a segurança no norte”.Naim Qassem, o segundo em comando na hierarquia do Hezbollah, disse à Al Jazeera na terça-feira (4) que o grupo avaliou que as recentes ameaças de Israel não eram graves.“De qualquer forma, decidimos não ampliar a batalha e não queremos uma guerra total. Mas se nos for imposto, estamos prontos e não recuaremos”, disse Qassem, acrescentando que o Hezbollah encerrará os seus ataques a Israel assim que a guerra em Gaza terminar.É provável uma guerra total?Especialistas dizem que, embora ambos os lados possam não optar por iniciar uma guerra total, as suas ações ainda podem desencadear uma guerra, mesmo que sem essa intenção.Wimmen, do Grupo de Crise Internacional, disse que é improvável que Israel e o Hezbollah tomem uma decisão consciente de iniciar uma guerra. No entanto, quanto mais intenso o conflito se torna, quanto mais fundo cada lado ataca no território do outro e quanto mais pesadas são as armas utilizadas, maior é a probabilidade de “algo ruim ocorrer ”, disse ele.Netanyahu está sob intensa pressão da oposição e dos membros da sua coalizão para tomar medidas no norte, especialmente tendo em conta que tantos israelenses foram deslocados da área.Mais de 53.000 israelenses foram forçados a deixar suas casas no norte, disse a FDI. No Líbano, mais de 94 mil pessoas foram deslocadas de áreas e cidades próximas da fronteira com Israel desde o início do conflito, segundo dados divulgados terça-feira pelo Ministério da Saúde Pública libanês.“Todas as fortalezas do Hezbollah devem ser queimadas e destruídas. Guerra!” disse o ministro israelense de Segurança Nacional de extrema direita, Itamar Ben Gvir, em um comunicado esta semana.O líder da oposição Yair Lapid também criticou o governo, dizendo: “O norte arde em chamas e a dissuasão israelense arde com ele”.“O governo não tem nenhum plano para o dia seguinte em Gaza, nenhum plano para devolver os residentes ao norte, nenhuma gestão, nenhuma estratégia. Um governo de abandono total”, disse Lapid no X.Os EUA alertaram contra a escalada, temendo que ela pudesse sair do controle. O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse na quarta-feira que os Estados Unidos estão “incrivelmente preocupados” com o risco de escalada, acrescentando que a administração Biden está envolvida em conversações diplomáticas “para tentar evitar que o conflito se agrave além do controle”.Shaked, o acadêmico do Instituto Truman, disse que, apesar das afirmações do Hezbollah de que os seus ataques a Israel são em apoio a Gaza, a estratégia do grupo será provavelmente coordenada de perto com o seu aliado mais próximo, o Irã – especialmente com tanta coisa em jogo.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original

você pode gostar